Quer ganhar um e-book GRÁTIS?


Assine a nossa lista, e receba grátis o e-book

"Como montar o seu Plano de Investimentos"!

 

Investimentos

Como se proteger da “Inflação Imobiliária”?

Suponha que você esteja guardando dinheiro para dar de entrada em um apartamento. Este dinheiro deve ser investido em algum lugar, certo? A questão é: qual o melhor investimento para proteger o seu dinheiro da chamada “inflação imobiliária”? Ou seja, o que deve ser feito para não perder a corrida da valorização dos imóveis? O leitor Júlio manda-me duas sugestões interessantes, e pede minha opinião. Vamos ver:

1. Comprar ações de empresas do setor imobiliário. Será que a valorização dessas empresas acompanha a alta dos preços dos imóveis?

Em princípio, não. O resultado das empresas desse setor depende de muitos outros fatores além dos preços dos imóveis: custo da mão de obra e materiais, oferta de crédito e até a forma de contabilização dos resultados. Fiz um exercício simples: comparei o índice IMOB, calculado pela Bovespa (mais informações aqui), e que mede o desempenho das ações do setor. Veja na tabela a seguir os resultados, comparados com o Ibovespa, com o CDI e com o índice ZAP-Fipe de imóveis, nos últimos 1, 2 e 3 anos (períodos terminados em fevereiro/11):

Note que o índice IMOB não guarda relação com o índice ZAP-FIPE. Quem, por exemplo, aplicou nas empresas do setor há três anos, viu o seu investimento encolher em 5,4%, enquanto os preços dos imóveis subiram 81,3% no período. Já quem está guardando dinheiro nos últimos 2 anos, a situação se inverte: a carteira de ações subiu 206,5%, contra uma valorização dos imóveis de 52,4% no mesmo período.

2. Comprar cotas de um fundo imobiliário.

Fundos imobiliários normalmente estão ligados a empreendimentos específicos, e sua valorização depende do sucesso do empreendimento, o que supostamente acabaria se refletindo no preço dos imóveis. Como esses empreendimentos normalmente são comerciais, vamos compará-los também com o índice IGMI-C, calculado pela FGV (que descrevemos no post Imóveis: um bom investimento?), também em três períodos: 1, 2 e 3 anos (períodos terminados em dezembro/2010). Para fazer esse exercício, consideramos a valorização dos fundos imobiliários disponíveis no mercado nesses períodos, disponíveis aqui. Montei uma carteira teórica com esses fundos, considerando o mesmo peso para cada um deles, apenas para fins de simulação. O resultado vai a seguir:

Note que a rentabilidade dos fundos imobiliários guarda uma relação muito mais próxima com o índice da FGV e mesmo com o índice ZAP-FIPE dos imóveis residenciais. Mas atenção! A liquidez (o mesmo que dizer a facilidade de vender) esses fundos é muito menor que a disponível para ações. Assim, ao investir numa carteira desse tipo, a sua rentabilidade real pode não ser essa rentabilidade teórica, pois o esforço para vender as cotas desses fundos pode abocanhar uma parcela do ganho.

Concluindo: para aqueles que, como o Júlio, querem proteger o seu rico dinheirinho da “inflação imobiliária”, aparentemente uma carteira de fundos imobiliários pode ser uma alternativa, ainda que a falta de liquidez possa prejudicar o retorno.

Crédito do thumbnail: Free Digital Photos by jk1991.

Receba atualizações do site em seu e-mail!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Vivendo disse:

    Eu particularmente sou um que estou “hedgeado” em FII’s e morando de aluguel. Espero que na prática o hedge funcione.
    []’s e parabéns pelo blog.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.