Quer ganhar um e-book GRÁTIS?


Assine a nossa lista, e receba grátis o e-book

"Como montar o seu Plano de Investimentos"!

 

Investimentos

A armadilha do Tesouro IPCA

Sabemos que o Tesouro IPCA (antiga NTN-B) proporciona uma taxa de juros, além de proteger contra a inflação. Mas será que é isso mesmo?

Digamos que o Tesouro IPCA esteja pagando uma taxa de juros de 5% ao ano, além da variação do IPCA. Este será o retorno do seu investimento, a menos de um pequeno detalhe: o Imposto de Renda.

– Ok, Professor Money. Mas pagamos imposto sobre todos os investimentos. Por que pegar no pé do Tesouro IPCA?

Porque um detalhe passa despercebido: o imposto incide sobre TODO o rendimento do título. Portanto, quanto maior a inflação, maior será o retorno, mas também maior será o imposto de renda. O efeito final será uma menor taxa de juros real, aquela que o investidor recebe além do IPCA. Vejamos um exemplo.

Digamos que a inflação em 2017 seja de 4%. Com um título rendendo IPCA + 5%, o rendimento total será de (considerando que não haja variação da taxa de juros real no período):

(1+0,04)*(1+0,05)-1=9,2%

O IR será de (considerando, como hipótese, que o investimento tem um ano de prazo, portanto alíquota de 20%):

9,2% * (1-0,20) = 7,36%

Considerando que a inflação será de 4%, o ganho real será de:

(1+0,0736)/(1+0,04)-1=3,23%

Ou seja, ao invés dos 5% prometidos pelo título, a taxa de juros real foi de apenas 3,23%. A alíquota de imposto de renda sobre a taxa de juros real foi de:

1-(3,23%/5%)=35,4%

O IR, ao incidir sobre a recomposição do seu capital para simplesmente compensar a inflação, aumenta a alíquota sobre o seu ganho real. Este efeito é tanto mais perverso quanto maior a inflação. Vejamos um exemplo extremo. Digamos que a inflação seja de 100% ao ano. Parece um exagero, mas já vivemos inflação muito maior no Brasil, e a nossa vizinha Venezuela está agora mesmo enfrentando inflação maior do que esta. Ao estar aplicado no Tesouro IPCA, o investidor espera estar protegido contra esta inflação. Mas, vejamos, utilizando o mesmo exemplo de taxa de juros real de 5%:

Rendimento total: (1+1)*(1+0,05)-1=110%

Rendimento líquido de IR: 110% * (1-0,20) = 88%

Ganho real: (1+0,88)/(1+1)-1=-6%

Ou seja, a cobrança do IR fez com que a rentabilidade do título fosse MENOR que a inflação do período. Isto aconteceu porque o IR é cobrado sobre TODA A RENTABILIDADE, e não somente sobre a rentabilidade real.

Este problema ocorre com todos os títulos do mercado. A rentabilidade de cada um deles contém uma inflação “embutida”, que também é tributada. Mas no caso do Tesouro IPCA, esta inflação está explícita, e o investidor tem a sensação de estar protegido contra a inflação em qualquer cenário. Não é o caso, como vimos.

Obviamente, este é um exemplo extremo. Na maior parte do tempo, o Tesouro IPCA efetivamente protege contra a inflação. No entanto, o investidor precisa ficar atento à taxa de juros real LÍQUIDA DE IR que espera receber do seu investimento. Esta é uma expectativa muito importante, por exemplo, para aqueles que estão fazendo planejamento de longo prazo, como a aposentadoria. No exemplo acima, o que aconteceria se a inflação pulasse para 15%? Vejamos:

Rendimento total: (1+0,15)*(1+0,05)-1=20,75%

Rendimento líquido de IR: 20,75% * (1-0,20) = 16,60%

Ganho real: (1+0,166)/(1+0,15)-1=1,39%

Ou seja, o juro real caiu de 3,23% para apenas 1,39% simplesmente porque a inflação saiu de 4% para 15%. Uma perda de quase dois pontos percentuais no juro real, o que é bastante relevante para qualquer simulação de longo prazo.

===============================================================================

Estou adicionando este post-scriptum em atenção aos leitores, por um erro cometido nos cálculos acima, e muito bem apontado pelo leitor Alexandre. Os cálculos acima consideram investimentos com apenas um ano de prazo. Se houvesse uma espécie de “come-cotas” anual, estariam corretos. Mas não há, portanto vamos aos cálculos corretos, considerando um prazo de 10 anos para o vencimento.

Exemplo 1: Inflação: 4%; Taxa de juros: 5%

Rentabilidade bruta: [(1+0,04)*(1+0,05)]^10-1=141,1%

Rentabilidade líquida: 141,1%*(1-0,15)=119,9% (considerando 10 anos de prazo, a alíquota de IR passa a ser de 15%)

Taxa de juros real: (1,199+1)/(1+0,04)^10-1=48,6% ou 4,04% ao ano (contra 3,23% do artigo)

A alíquota de IR real foi de 1 – (4,04%/5%) = 19,2%, um pouco maior do que os 15%, e bem menor do que os 35,4% do exemplo acima.

Exemplo 2: Inflação: 100%; Taxa de juros: 5%

Rentabilidade bruta:  [(1+1)*(1+0,05)]^10-1=166.699%

Rentabilidade líquida: 166.699%*(1-0,15)=141.694%

Taxa de juros real: (1.416,9+1)/(1+1)^10-1=38,5% ou 3,3% ao ano (contra -6% do artigo)

Exemplo 3: Inflação: 15%; Taxa de juros: 5%

Rentabilidade bruta: [(1+0,15)*(1+0,05)]^10-1=559,0%

Rentabilidade líquida: 559,0%*(1-0,15)=475,1%

Taxa de juros real: (4,751+1)/(1+0,15)^10-1=42,2% ou 3,6% ao ano (contra 1,4% do artigo)

Como pudemos observar, a perda relativa de rentabilidade é tanto menor quanto maior for o prazo do título. Obrigado, Alexandre, pela dica.

Se você quiser uma planilha para fazer estes cálculos, basta deixar seu e-mail abaixo, e baixar gratuitamente!

Receba atualizações do site em seu e-mail!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

163 Comentários

  1. Rodrigo Albuquerque disse:

    Professor, eu to em dúvida..
    Vamos supor R$ 10 mil, aplicados a 5,6% ao ano, um titulo do tipo ipca+ , 2035.
    Considerando inflação de 8% ao ano.

    No site do tesouro diz que a rentabilidade liquida após taxas e IR seria de 12,92% ao ano.

    1,1292/1,08 = 1,04555 que daria uma rentabilidade liquida de 4,55% ao ano , certo?

    Mas se for fazer seguindo as contas apresentadas aqui, esse número seria menor:

    1,08*1,056 = 1,14048 , como é um titulo de 2035, vamos considerar uma alíquota media de 16% ( provavelmente é um pouco menos). 0,14048 * 0,84 = 0,1180, 11,80% de rentabilidade liquida. Descontando inflação:

    1,1180/1,08 = 1,035 , 3,5%

    Por que a diferença foi tão grande de um pra outro?

    • Professor Money disse:

      Prezado Rodrigo, você leu o artigo corretamente, mas há um post-scriptum, em que chamo a atenção para um erro no artigo: o cálculo vale somente para investimentos de 1 ano de prazo. Para investimentos mais longos (como é o caso), o cálculo deve considerar todo o prazo. No seu exemplo, teríamos:
      Rentabilidade no período (considerando aplicação em 26/06, são 4.490 dias úteis até o vencimento):
      Rentabilidade bruta: [(1+0,08)(1+0,056)]^(4490/252)-1=940,30%
      Rentabilidade líquida: 940,30%*(1-0,15)=799,25%
      Taxa de juros real no período: (1+7,9925)/(1+0,08)^(4490/252)-1=128,22%
      Taxa de juros real anualizada: (1,2822+1)^(252/4490)-1=4,74%
      A diferença para o número do site do Tesouro (4,55%) está em que eles consideram o custo da custódia, enquanto o meu cálculo não considera este custo.
      Espero que tenha ficado claro.

  2. Dionizio disse:

    Estou querendo aplicar em um cdb ipca prazo 5anos(banco bmg o vc me diz(ipca+7,1)

    • Professor Money disse:

      Prezado Dionízio, em princípio o FGC cobre perdas de crédito até R$ 250 mil. Então, se você topa o risco do FGC (de atraso no pagamento), parece valer a pena, em relação a um título público (Tesouro IPCA+) de mesmo prazo.

  3. Henrique disse:

    Olá Professor. Antes de tudo, ótima explicação, meus parabéns!
    Estou indo para Dublin este mês, logo fiquei interessado em um investimento de longo prazo(2 a 5 anos) para 50.000,00 temers. O que você recomenda levando em conta o nosso atual cenário politico catastrófico?

    Observação:
    Pretendo mandar dinheiro da Europa para o Brasil, e aplica-lo também.

    • Professor Money disse:

      Henrique, infelizmente não dou dicas de investimento neste site. Sugerir investimentos requer conhecer a fundo os objetivos, a tolerância ao risco e outros dados do investidor, o que foge ao escopo deste site.

  4. Marques disse:

    Olá professor,
    estou querendo investir R$75mil por um período de 10 anos ou mais.
    Minha dúvida é entre o Tesouro Direto IPCA+ ou previdência privada VGBL regressiva.
    Qual seria mais vantajoso?

    • Professor Money disse:

      Prezado Renato, do ponto de vista estritamente tributário (ou seja, considerando que o Tesouro IPCA+ rende o mesmo que o VGBL ANTES da cobrança do imposto, o VGBL vale mais a pena, pois terá um imposto menor no final. NO ENTANTO, é preciso ver qual investimento rende mais ANTES da cobrança do imposto. Se for um VGBL DI, é provável que o Tesouro IPCA+ renda mais antes da cobrança do imposto. Além disso, o VGBL normalmente tem uma taxa de adminstração maior, o que acaba compensando a vantagem tributária. Sendo assim, são muitos os aspectos a serem considerados, impossibilitanto uma resposta definitiva.

  5. Julia disse:

    Achei muito interessante a explicação, mas tenho uma dúvida: visto que a tributação ocorre no momento da retirada, é necessário declarar quanto foi investido no IPCA mesmo que seja menor que 20 mil? E se for investimento de dependentes, ainda assim preciso declarar?

    • Professor Money disse:

      Prezada Julia, a declaração dos investimentos no Tesouro Direto precisam ser declaradas na sessão de Bens e Direitos, independentemente do valor. Os investimentos em nome de dependentes também precisam ser declarados.

  6. Juan disse:

    Uma dúvida sobre o tema abordado: Para minha reserva de aposentadoria sempre costumo aplicar no Tesouro IPCA+ 2024, sempre girando em torno de uma rentabilidade de 5,5%.
    No entanto minha corretora dispõe de um CDB indexado ao IPCA com rentabilidade maior (CDB BMG 7,20 % IPC-A) e prazo semelhante (5 anos), planejo investir mais R$20.000 nesse CDB ao invés do tesouro e retirar recursos (mais R$ 19.000) já investidos no tesouro IPCA para investir nesse CDB. Acha que é válido? Muito obrigado pelo seus textos.

    • Professor Money disse:

      Prezado Juan, considerando que este valor está dentro do limite do FGC, parece valer a pena. Só tenha em mente que, se o emissor quebrar, você pode ter que esperar um tempo para receber o seu dinheiro de volta, o que pode significar alguma perda de rentabilidade, prejudicando a sua rentabilidade total.

  7. TANIA disse:

    Investimento de pobre é poupança, pq um mês sobra, no mês seguinte já falta e tem que resgatar, isso quando consegue guardar alguma coisa…aff

  8. Alberto disse:

    Muito boas as explicações, inflação alta corroi até os investimentos que pretensamente deveriam nos proteger dela.

    saudacoes
    educacaomaisinvestimento.blogspot.com.br

  9. Muito boa a explicação

    Saudações
    educacaomaisinvestimento.blogspot.com.br

  10. Ivan Couto disse:

    Professor,
    A variação das taxas de juros diárias marcadas a mercado para o Tesouro IPCA+35 no ano de 2016 gerou um rendimento para estes títulos extremamente atraente, especialmente para quem faz especulação com os mesmos.
    No entanto, agora em 2017, o comportamento das taxas não parece tão promissor até este momento. O Valor Economico http://www.valor.com.br/financas/4910186/ipca-15-ameniza-alta-de-juros-futuros-na-bmf menciona que o mercado de renda fixa tem estado pressionado por mais prêmio de risco.
    Em adição, hoje na Bloomberg vi um texto curto da Pine Investimentos dizendo que o IPCA 1T19 não permite ciclo abaixo de 8,5% para Selic.
    Estou propositalmente abordando os dois diferentes componentes de correção do Tesouro IPCA para formular minha questão:
    Você saberia explicar o que esperar da taxa de marcação a mercado do Tesouro IPCA para este ano? Será que está valendo a pena comprar TIpca+45 esperando um rendimento na faixa de 40% até meados de 2018?

    • Professor Money disse:

      Prezado Ivan, 40% parece um pouco puxado, porque uma grande parte da queda de juros já aconteceu. O IPCA+ 45 tem duration de aproximadamente 14 anos. Considerando que, na curva, este título deve render algo como 9,5%, para dar 40%, seria preciso mais 30% em marcação a mercado. Com a duration de 14 anos, seria preciso que a taxa do título caísse mais 2 pontos percentuais, o que significa IPCA+3,25%. Não é impossível, mas parece puxado.

      • Vulgo disse:

        Professor, então qual seria neste momento com as expectativas atuais essa taxa do tesouro ipca+2045 para o início de 2018 na sua opinião? Algo em torno de ipca+4,5% seria realista e razoável? Claro que depende da aprovação das reformas, guerras, dólar, petróleo, etc… que fazem dessa avaliação algo bem complicado…

        • Professor Money disse:

          Parece realista e razoável. Mas lembre-se que há muitas variáveis no horizonte, sendo a principal delas a reforma da previdência. Portanto, este tipo de investimento deve ser feito com horizonte de longo prazo, pois no curto prazo pode ter oscilações desagradáveis.

  11. Parabenizando o Marcelo pela abordagem de assunto tão relevante e, desde já, reconhecendo o mérito e a boa intenção do tesouro ao disponibilizar uma aplicação, de alcance popular, cujo histórico tem proporcionado excelentes rendimentos, não podemos deixar de reconhecer como reais todos os riscos que aqui já foram tão bem esclarecidos, ou seja: o tesouro IPCA se propõe a proteger nossos investimentos contra a inflação, e o faz muito bem em épocas de inflação baixa, mas não tão bem caso a inflação se torne alta, quando mais precisaríamos.

    Analisando a rentabilidade absoluta acumulada (bruta ou líquida, fornecidas pela calculadora do tesouro) isto não fica tão evidente em um primeiro olhar, e esta é a armadilha. O link abaixo apresenta um arquivo Excel que demostra graficamente esta situação (para um caso de tesouro IPCA com cupons), a rentabilidade absoluta mede quanto aumentou o valor em reais aplicado originalmente, mas não nos mostra quanto este dinheiro inicial já se desvalorizou. O gráfico com o IPCA=15% atinge valores absolutos muito maiores que o gráfico com o IPCA=4%, mas nosso valor em reais aplicado originalmente se desvalorizou muito mais também. A pergunta é o IPCA=15% valeu mais a pena do que o IPCA=4%?

    A resposta a esta pergunta virá ao analisarmos os gráficos da rentabilidade relativa anual que constam no mesmo arquivo, sendo que a mesma mede quanto aumentou o valor de nossa aplicação com relação ao valor em reais aplicado originalmente já corrigido pela inflação.
    Ali vemos que a rentabilidade relativa bruta anual será a mesma qualquer que seja o IPCA. Todavia a rentabilidade relativa líquida anual será menor quando o IPCA for 15% do que quando for 4%.
    E embora as diferenças na rentabilidade líquida dos dois casos se tornem menores conforme a aplicação se aproxime do seu vencimento, como acertadamente mencionou o Alexandre, no caso das aplicações IPCA com cupons isto não compensará a menor rentabilidade relativa já recebida no vencimento de cada cupom.

    Link do gráfico:

    https://docs.google.com/uc?export=download&id=0B3xbr53ojl5ZZURKSmlVU0FBOG8

    Link do modelo de calculadora utilizada na confecção dos gráficos:

    https://docs.google.com/uc?export=download&id=0B3xbr53ojl5ZZXBpUWxxbUdLVnM

  12. Sidney Caputo disse:

    Prezado Professor,

    A sua análise está matematicamente correta, mas gostaria de acrescentar alguns pontos. Durante o Governo Dilma, por exemplo, tivemos um período de baixas taxas de juros, que chegaram ao mínimo de 7,25% ao ano. Naquela ocasião, em 2013, a inflação mostrava-se crescente, fato que forçou o BC a elevar os juros novamente. Durante um período de tempo a taxa de juros real para quem possuía aplicações pós fixadas em CDI ou pré fixadas foi negativa. Desta forma, as aplicações em títulos indexados à inflação, pareciam mais atraentes, mesmo com a tributação citada no seu artigo. Acredito que sempre deve ser analisado o contexto geral, para tomar a decisão certa sobre investimentos.
    Aproveitando a oportunidade, gostaria de lembrar que até o Plano Real, o imposto de renda sobre as aplicações financeiras incidiam somente sobre o ganho real das aplicações, exatamente para não inviabilizar a venda de títulos do governo federal. Caso contrário, todos comprariam ativos reais, pois a perda seria imensa.
    Um abraço!

    • Professor Money disse:

      Sidney, sem dúvida, o Tesouro IPCA+ pode ser atrativo em relação a outros investimentos, mesmo porque a tributação ocorre sobre todo o rendimento do título, seja ele IPCA+, Prefixado ou Selic. Portanto, o IR incide de maneira igual sobre todos os títulos públicos, e não deveria ser fator de decisão. O ponto do artigo é outro: para calcular a taxa real líquida do Tesouro IPCA+, não faça a conta (erro muito comum) taxa real x (1-alíquota), pois o IR incide sobre o rendimento total, e não somente sobre o rendimento real.
      Você muito bem lembrou que, antes do Plano Real, com a hiperinflação, se o IR fosse calculado sobre todo o rendimento, a taxa de juros real seria bastante negativa depois da cobrança do imposto, como eu mostro no exemplo.
      Muito obrigado por sua contribuição!

  13. Rubens disse:

    Olá dr. Money desde já agradeço a atenção!
    Não tenho muito conhecimento na área de investimento, gostaria de saber a seguinte questão,
    Tenho 49 anos e gostaria de complementar minha aposentadoria se eu tiver 300.000,00 para investir qual investimento você recomendaria estamos falando de um prazo de 10 a 15 anos .
    Obrigado
    Grande abraço
    Rubens

    • Professor Money disse:

      Prezado Rubens, não tenho condições de recomendar nenhum investimento se não tiver mais conhecimento sobre suas condições tributárias. Se você pode se valer do benefício fiscal do PGBL (declaração completa, alíquota acima de 10%), poderia buscar um PGBL com baixa taxa de administração, até o limite de 12% de sua renda. Sobre isso, leia o post Tesouro Direto ou PGBL?. No caso de você já ter os R$ 300 mil, a compra de um título IPCA+ com vencimento em 10 a 15 anos pode ser uma boa opção. Sobre isso, leia o post Tesouro Direto: qual título escolher.

  14. Mjj disse:

    Boa tarde DR MONEY ! parabéns pelo seu blog , acredito que seu conhecimento em investimentos e a boa vontade em reponder à todos os coméntarios de forma ética e sem tentar induzir a algum investimento em específico é um dos responsáveis pelo seu sucesso .Minha pergunta é sobre debêntures da CEMIG IPCA + 9,60 para 2021 e 2025 , acredito ser um bom investimento pois o período em que o dinheiro ficará ivestido dará boa rentabilidade , melhor que o título do tesouro ipca+ que hoje estå em 5,72 dependendo do ano de vencimento . Mas por outro lado tem investmentos LC pagando 122,50% para 1800 dias e ai eu tenho a segurança do FGC . O QUÊ FAZER ?

    • drmoney disse:

      Prezado Magno, há dois riscos diferentes em jogo: a diferença de rentabilidade (IPCA + 9,60% x 122,5% do CDI) e o risco de crédito (Cemig x emissor da LCI). Com relação a este último risco, o LCI tem garantia do FGC, enquanto a debênture da Cemig não. Assim, você deveria exigir uma rentabilidade maior para a debênture. Quanto maior? Vai da sua tolerância ao risco. Com relação à diferença de rentabilidade, se a inflação for de 4,5% para os próximos 5 anos, a debênture vai render aproximadamente 97% bruto, ou 82% líquido de IR, enquanto se o CDI render 10% ao ano nos próximos 5 anos (que é mais ou menos a taxa do título prefixado hoje, menos um prêmio de risco), a LCI renderá aproximadamente 78%, sem IR. Ou seja, SE ESSAS PREMISSAS ESTIVEREM CORRETAS, talvez a rentabilidade da debênture não compense o seu risco de crédito. Mas, veja, as premissas de inflação e CDI adotadas podem não estar corretas, e então a conta será diferente. Mas é impossível saber de antemão.

  15. Leandro Neves disse:

    Prezado Dr. Money,

    Parabéns pelo ótimo trabalho, gostaria muito da sua ajuda quanto ao meu planejamento de aposentadoria. Estou com 39 anos, tinha uma previdência privada na qual não posso mais investir, valores lá acumulados são insignificativos. Com essa situação pretendo iniciar uma nova previdência ou investir no Tesouro Direto IPCA NTN-B. Qual seria sua recomendação de investimento considerando que eu venha efetuar uso os 60 anos e que inicialmente eu invista R$ 300,00 mês?

    Muito obrigado.

    Att,
    Leandro

    • drmoney disse:

      Prezado Leandro, como você vai investir por 20 anos, você pode se aproveitar da alíquota de IR do PGBL/VGBL regressivo de 10% no resgate. No entanto, esta vantagem tributária somente é válida se a taxa de administração do PGBL/VGBL for baixa, o que não deve ser o caso para aportes mensais de R$ 300. Portanto, provavelmente, para este montante de recursos, o mais vantajoso seja o Tesouro Direto.

  16. Tawan Tayron disse:

    Olá Dr. Money! Estou gostando muito sobre seus artigos, todos de ótima qualidade. Gostaria de tirar uma dúvida, se não for incomoda-lo.
    Comecei um investimento no Tesouro Direto Prefixado 2019 (vencimento em 01/2019) em 01/2017. Tenho hoje dia 03/02/2017 investidos 2500 reais com taxa de juros de 10,22% .
    Observei que o Tesouro IPCA 2019 (vencimento 05/2019) está com taxa de juros de 5,63%.
    Minha questão é se o senhor recomendaria eu resgatar meu investimento do prefixado e aplicar neste IPCA.

    Desculpa qualquer forma de ignorância. Abraço!

    • Tawan Tayron disse:

      OBS: eu não pretendo retirar o dinheiro antes do vencimento. Queria saber se essa troca seria uma boa opção, visto esse pouco tempo de investimento já efetuado.

    • drmoney disse:

      Prezado Tawan, depende da sua visão para a inflação. Calculando a diferença entre as duas taxas, chegamos a 4,35%. Se você acha que a inflação será maior que 4,35% neste período, deveria ir para IPCA. Se você acha que será menor, deveria ficar no prefixado.

  17. ADONAY disse:

    Primeiramente quero parabeniza-lo pelo belo trabalho que faz e
    posteriormente ,caso possa , me orientar sobre a melhor opção
    de investimento à fazer que não tenha desconto do IR , seja uma
    rentabilidade de longo prazo com depósitos mensais (como na
    poupança , depositaria um valor X para melhorar inclusive o
    valor final) , pois já tenho 55 anos sem perspectiva nenhuma para
    uma aposentadoria pelo menos decente e qual valor para início
    imediato , com desconto mínimo de corretora a ser escolhida para
    investimento. Caso esteja me tornando prolongado demasiadamen-
    te peço desculpas pois estou com a vida um pouco atabalhoada,
    obrigado pela atenção,um abraço!

    • drmoney disse:

      Prezado Adonay, difícil responder sem saber o montante a ser investido. De maneira geral, os melhores investimentos sem impostos são os LCIs/LCAs. Mas é preciso prestar atenção na rentabilidade: se for inferior a 85% do CDI, pode ser melhor ir para um CDB/DI ou mesmo um fundo de investimento, dependendo da taxa de administração, ou mesmo o Tesouro Selic. Mesmo um VGBL com regime regressivo pode valer a pena, dependendo da taxa de administração e do prazo do investimento (mais de 10 anos). Assim, não há uma resposta única, depende de vários fatores.

  18. Elton Pelegrini disse:

    Olá, parabéns pelo trabalho.
    Estou recebendo um acordo de 2500,00 por mes e pretendo usar o montante recebido em Janeiro de 2018 para quitar um financiamento, qual seria o melhor investimento?
    Tenho 40 anos e não pretendo usar este investimento antes de Janeiro. Obrigado.

  19. Rafael disse:

    Gostaria de tirar uma dúvida: Investi uma quantia no IPCA + 6,32% vencendo em 05/2019. A acumulada anualizada diz que está em IPCA + 7,84%, e quando clico no gráfico a linha que representa o valor para retirada hoje está moderadamente acima do valor contratado. Isso quer dizer que se eu retirar hoje, mesmo pagando 20% de imposto vale a pena?

    • drmoney disse:

      Prezado Rafael, só vale a pena retirar hoje se você for gastar o dinheiro. Caso contrário, você precisará reaplicar o dinheiro a uma taxa mais baixa (o valor do título hoje só está mais alto porque as taxas de juros caíram) e o contador de tempo para o imposto de renda recomeçará do zero.

      • Julio disse:

        Tenho esta mesma dúvida que o Rafael, mas gostaria de complementá-la. E se estiver próximo do vencimento do título e eu resgatar poucos dias antes, visto que o rendimento real é maior que o rendimento contratado, vale a pena resgatar antes?

        • Professor Money disse:

          Provavelmente sim. Se faltam poucos dias, você obterá um rendimento maior do que no vencimento. Em outras palavras, o rendimento até o vencimento será tão pequeno (pois a taxa de juros caiu), que não vale a pena carregar até o vencimento. Mas, atenção: este raciocínio só vale se a alíquota do IR for a mesma hoje ou no vencimento.

  20. juliano de Oliveira disse:

    Gostaria de uma informação.. Tenho R$ 30000,00 para investir em um periodo a longo prazo acima de 5 anos com perfil conservador a moderado. Qual e o melhor investimento no mercado que se enquadre nesse perfil? Pois tenho duas proposta do banco BMG uma e de CDB IPCA + 7,5% e um CDB 119% do CDI..

    • drmoney disse:

      Prezado Juliano, considerando que existe o FGC para cobrir eventuais perdas de crédito, a proposta do BMG parece interessante. Mas tenha em mente que você provavelmente não vai poder resgatar antes do vencimento e, se o fizer, será com um penalidade.

      • Vivaldino disse:

        Tenho a mesma dúvida do autor da pergunta. Qual é o melhor investimento? Posso deixar o dinheiro lá 100 anos, isso não é problema.

        • drmoney disse:

          Prezado Vivaldino, não existe o “melhor investimento”. Existe o investimento adequado aos objetivos e tolerância ao risco do investidor. No caso acima, dada a rentabilidade, e o fato do investimento ser protegido pelo FGC, parece adequado ao perfil conservador e ao prazo do investidor.

  21. Diego disse:

    Prezado Dr. Money,
    adoro seu site, acompanho sempre, parabéns!
    Como sou meio “novato” em investimentos, achei que o melhor investimento para mim seria TD Selic, pois estou guardando um dinheiro para fazer uma viagem no final deste ano. Já tenho um valor a uns meses nele.
    Entretanto, surgiu a oportunidade de guardar mais uma quantia:”R$5.000,00″ que pretendo investir para utilizar no ano que vem.
    Com previsão de queda da Selic, seria vantagem eu comprar mais um TD Selic ou você me sugere outro? Uma vez que irei resgatar antes do prazo do título?

    Obrigado!!

  22. Bernardo Menezes disse:

    Bom dia, Drmoney. Meu nome é Bernardo Menezes. Sou novato na compra de títulos, já li bastante, mas tenho dúvidas, certamente. Gostaria de que me orientasse se o NTN-B é a melhor forma de investimento para meu objetivo: aposentadoria complementar. Possuo 34 anos e pretendo fazer um investimento inicial de R$2000 e mensais de de R$ 250. Não pretendo fazer resgate…é para longo prazo, cumprindo o vencimento dos títulos. O que me recomenda? —- No mais, excelente explicação a sua. No aguardo. Obrigado.!

    • drmoney disse:

      Prezado Bernardo, o Tesouro IPCA certamente é uma excelente alternativa, ainda mais para o pequeno montante inicial. No entanto, se você declara IR pelo formulário completo, teríamos que fazer contas para ver se, realmente, o TD é a melhor alternativa. Pois, dependendo da taxa de administração do PGBL, este pode ser uma alternativa melhor, pois você difere e diminui a alíquota do seu IR. Mesmo no caso em que você não declara IR no formulário completo, o VGBL regressivo pode ser uma alternativa melhor, dado que o IR é de 10%, contra 15% no TD. Claro, isso considerando que tanto o Tesouro IPCA quanto o PGBL ou VGBL tenham rendimentos semelhantes antes da cobrança de IR, o que também não é certo. Portanto, como resposta final, o TD é uma alternativa interessante, e você certamente não estará perdendo dinheiro lá.

  23. Gui disse:

    Ola sou iniciante mas tenho buscado conhecer quero ,fazer dois investimentos um para reserva de emergência e tenho visto tesouro selic (Para reserva de emergência) penso em colocar 100 reais por mês mas minha duvida é saber quanto vou ter no final do titulo pois como funciona se eu comprar 100 reais todos oe meses não entendi isso poderia me ajudar??? Outra duvida é sobre fazer minha propia aposentadoria com o tesouro ipca como faze-lo???E como saber quanto devo comprar todo mês para saber quanto vou ter já que não tenho entendido essa questão de calcular no simulador o valor total no final do titulo? Desde já obrigado espero que entenda.

    • drmoney disse:

      Prezado Gui, o Tesouro Selic é um título que rende de acordo com a taxa Selic. Assim, hoje, com a Selic a 13%, o título rende 13% ao ano. Quando a Selic for menor, renderá menos. Não dá para saber quanto você terá no final do título, pois isso depende da taxa Selic ao longo do tempo, o que não sabemos de antemão.
      Com relação à aposentadoria, sugiro usar o simulador que está aqui: http://vigilantesorcamento.com.br/planilha-aposentadoria/. Para a taxa de juros no simulador, você deve pegar a taxa de juros do título IPCA que você pretende comprar (por exemplo, 5,5% ao ano).

  24. Taty disse:

    Olá Dr. Money. Tenho desde 2006 uma BrasilPrev. Mas justamente esta semana vendo informações sobre melhores aplicações a longo prazo, vi a questão de investir no Tesouro Direto. Sou totalmente ignorante no assunto e gostaria de experimentar. Tenho 40 anos e quero investir mensalmente R$337,20 no Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal). Segundo as minhas contas daria uns R$60.696,00 de inversão durante esses 18 anos, com um Valor líquido do resgate de R$ 322.482,25, é isso mesmo? Ou Ainda tenho muito que entender? Quero entender se o valor investido é total que se deposita mensalmente, porque obviamente não tenho R$60.000,00 para investir. Outra dúvida, vale a pena retirar o valor que tenho na BrasilPrev que seria uns R$ 30.000,00 para investir no Tesouro direto neste mesmo IPCA+ (NTN-B Principal)? Desde já muito obrigada.

  25. Stenio disse:

    Dr. Money, parabéns pelo post. No atual cenário politico, com redução da taxa básica de juros, considerando as projeções para o futuro, entendo que a curto prazo temos como opção a Selic e a longo prazo IPCA. Considerando um investimento a médio prazo (7 anos) IPCA 2024, sendo resgatado antecipadamente 01 anos antes do vencimento, comparado com a Selic e LTN qual seria o investimento mais vantajoso nas mesmas condições? Sei que na LTN consigo saber o valor de resgate no momento da compra, mas nos outros casos como vou fazer resgate antecipado a rentabilidade poderá ser maior ou menor do que a contratada na data da compra. Não sei como proceder, pois não consegui conciliar a data de vencimento do título com o prazo desejado para o investimento.Obrigado.

    • drmoney disse:

      Prezado Stenio, este é um problema do TD, pode não haver o vencimento exato desejado. Mas tudo bem, se vencer um ano depois do desejado, no momento do resgate faltará apenas um ano para o vencimento e, portanto, o risco de você estar perdendo dinheiro naquela altura é menor. Para compreender isso, basta imaginar hoje um título prefixado com vencimento daqui a um ano, em janeiro de 2018. O risco desse título estar muito distante da curva de rendimento nominal é relativamente baixo. Assim, eu não me preocuparia com este descasamento, que não parece muito grande.

  26. Luiz Guilherme disse:

    Prezado, estou pensando em começar a construir uma carteira de títulos do Tesouro Direto. A ideia é comprar entre R$1mil e R$2mil em títulos do Tesouro todos os meses. Penso em levar esta carteira por 20 anos (até 2037), sempre com os aportes mensais. Neste caso, o que seria mais interessante: concentrar em um título (ex: IPCA+ 2035) ou mesclar títulos Pré-fixados, SELIC e IPCA?
    Abraços!

    • drmoney disse:

      Prezado Luiz Guilherme, se seu objetivo é segurar a carteira por 20 anos, o mais adequado é travar a taxa de hoje, que está bem alta. Para isso, você pode comprar títulos que vencem por volta de 2037. Hoje, o título que mais se aproxima desta data é o IPCA 2035. Se você realmente tem certeza de que quer segurar o investimento até lá, pode comprar sem os cupons semestrais. Este título é mais arriscado, mas tende a render mais se as taxas caírem ao longo do tempo. Se você comprar títulos que vencem antes deste prazo, terá que reaplicá-los a taxas menores no futuro, se as taxas de juros caírem, que é o que possivelmente vai acontecer.

  27. Marcos disse:

    Dr. Money, vc poderia me ajudar a entender algo muito básico?
    Eu tenho um investimento no tesouro IPCA e olhando o grafico no site do tesouro eu vejo duas variaçoes.
    A primeira é uma linha verde da minha rentabilidade teórica, que sempre sobe, mas bem devagar.
    E uma segunda linha da minha rentabilidade real que está lá em cima, variando bastante, mas marcando 28%, 30% , o que me faz encher os olhos.
    A minha pergunta é…se eu sacar hoje, eu recebo o dinheiro da minha linha teórica, ou da minha linha real?
    Se for da minha linha real….pq eu devo esperar até o vencimento e não sacar, sei lá….6 meses antes de encerrar o título?
    Pergunto isso, pois acredito que terá muito mais dinheiro da linha real do que o que me darão no vencimento do investimento utilizando a linha teórica.
    Desculpe minha falta de compreensão.
    Obrigado!

    • drmoney disse:

      Marcos, não tem nada que pedir desculpas! A coisa, de fato, não é intuitiva, e espero poder ajudar. Vamos lá.
      A linha real é quanto vale, hoje, o seu investimento. Portanto, se você sacar hoje, você recebe o dinheiro da sua linha real. Agora, vamos à sua questão: por que esperar até o vencimento, se você pode realizar o seu lucro já hoje? Esta é uma excelente questão. E a resposta é a seguinte: depende do que você vai fazer com este dinheiro. Se você for gastá-lo, resgatar hoje é uma vantagem. Digamos que você tenha feito este investimento para comprar alguma coisa no futuro (por exemplo, um carro). Dado que o seu título se valorizou muito rapidamente, você pode antecipar a compra do seu carro. Viva!
      No entanto, digamos que você não tem o que fazer com o dinheiro agora, e vai reaplicá-lo. Neste caso, qualquer outro título que você for comprar agora (incluindo este em que você está investido) vai pagar uma taxa de juros mais baixa do que a taxa que você adquiriu este título que você está investido agora. Ou seja, a rentabilidade teórica deste novo título será menor que a rentabilidade teórica do título que você tem agora. Portanto, você resgatou um título com lucro agora, mas vai ter uma rentabilidade menor daqui para frente. No final das contas, dá na mesma, uma coisa compensa a outra. Então, se você não vai utilizar o dinheiro agora, é melhor ficar com o investimento.
      Moral da estória: se, no momento em que você faz o investimento, seu plano é ficar com o investimento até a data do seu vencimento, o que vale é a taxa contratada no momento da compra. Lucros ou prejuízos no meio do caminho só fazem diferença para quem resgata para gastar o dinheiro.
      Espero ter esclarecido.

  28. Raimundo Junior disse:

    Prezado Dr money, Qual título mais rentável NTNB 2050 COM JUROS SEMESTRAIS OU NTNB PRINC. 2035 num cenário de queda na SELIC, considerando que quero resgatar o dinheiro antes do vencimento?. A liquidez desses títulos também é diária como a do tesouro SELIC? Como faço para escolher entre o principal e o semestral? como saber qual será mais rentável?
    Agradeço a atenção desde já.

    • drmoney disse:

      Os dois títulos têm uma duration semelhante, portanto seu potencial de ganho é semelhante também. A liquidez é a mesma da do Tesouro Selic. Recomendo cuidado com o resgate antecipado, uma vez que estes títulos são bastante voláteis, e você pode precisar resgatar em um momento desfavorável, perdendo dinheiro.

    • Ademir disse:

      Fazer aportes mensais para o título ipca 2050 + com juros semestrais, seria uma alternativa a utilizar um valor semestral e ainda ter um rendimento até 2050?

  29. Douglas disse:

    E o Tesouro IPCA 2035 acabou sendo o melhor rendimento do tesouro para quem pegou taxas boas ano passado…cheguei a comprar por 600 reais e hoje já passa de mil reais o valor dele… uma pena ter se desfeito de uma parte por 850/900….baita negócio pegar tesouro IPCA com taxas altas quando a previsão de queda na inflação que reflete em queda nos juros…

  30. FÁBIO disse:

    Em relação ao título Tesouro IPCA+ 2024 (NTNB Princ), taxa de rendimento 5,98%a.a, investindo R$7.000,00 se eu manter até vencimento qual será meu retorno liquido?
    O rendimento vai ser de acordo com a taxa IPCA no momento do vencimento mais os 5,98%a.a?

    Obrigado

  31. FÁBIO disse:

    Olá!
    tenho R$10.000,00 em minha conta corrente, fruto do meu FGTS estou em dúvida do que fazer com esse dinheiro, já abri uma conta na corretora de valores, mas ainda não tomei coragem de transferir esse dinheiro para ela, hora eu penso em aplicar na poupança esse valor e fazer aportes mensais.
    Qual o melhor caminho para o melhor rendimento desse montante, penso em aplicar na LFT mas com a inflação baixando, possivelmente a taxa selic pode vir abaixar e não renderia tanto como agora com a taxa á 14% penso no ipca mas a inflação abaixando diminui o rendimento, qual o melhor caminho a seguir, uma aplicação inteligente?
    Obrigado pela sua atenção e por seus conteúdos esclarecedores

    • drmoney disse:

      Prezado Fábio, depende do seu horizonte de investimento e de sua tolerância ao risco. A LFT é o mais indicado se o seu horizonte for de curto prazo e sua tolerância ao risco for baixa. Já o IPCA ou o prefixado são mais indicados para horizontes mais longos e para quem tem maior tolerância ao risco, já que são papéis que podem perder valor no curto prazo.

  32. Natali disse:

    Boa tarde

    Estou estudando sobre o Tesouro direto pois pretendo investir pela primeira vez, mas cheguei num momento de dúvida. A priori irei investir 10mil, com objetivo de rentabilidade a curto prazo, porém estou com dúvida entre SELIC e IPCA (NTN-B Principal). Fazendo uma simulação o IPCA rende mais. Pretendo deixar o dinheiro até o vencimento, portanto não me importaria com as variações, desde que, ao fim do vencimento eu consiga uma rentabilidade satisfatória. Quero também fazer outro investimento à longo prazo. Gostaria de saber a sua opinião sobre qual título devo investir à curto prazo e qual à longo prazo.

  33. CARLOS ONZE disse:

    TENHO O MESMO VALOR QUE ELE HOJE APLICADO?
    SOMOS IGUAIS HOJE EM RELAÇÃO AO DINHEIRO APLICADO NO TESOURO HOJE?
    POIS SEI QUE FUTURAMENTE ELE TERÁ MAIS , UMA VEZ QUE COMPROU A 6, E NÃO A 5,51.
    ESTOU ERRADO OU CERTO?

    • drmoney disse:

      Carlos, os dois têm 180 mil aplicados hoje, e receberão exatamente o mesmo montante em 2035. Você já perdeu o seu dinheiro hoje, já foi ajustado, agora ambos estão iguais.

  34. CARLOS ONZE disse:

    DESCULPA O VALOR.
    ERRATA.
    INVESTI 190 MIL E O MEU AMIGO 180 MIL
    E EU ESTOU HOJE COM 180 MIL
    UM ZERO A MAIS QUE FALTOU.

  35. CARLOS ONZE disse:

    PARANÉNS! ÓTIMO BLOG
    UMA DÚVIDA:
    INVESTI 19 MIL REAIS NO IPCA 2035 EM AGOSTO 2016, QUANDO A TAXA DE JUROS ESTAVA EM 5,51 PARA COMPRA
    JÁ HOJE EM 16/12/16 ESTOU COM 18 MIL
    MEU COLEGA COIMPROU ONTEM A MESMA QUANTIA QUE EU ( 19 MIL ), MAS COM OS JUROS DA TABELA DE COMPRAS EM 6,0
    , TAMBÉM NO IPCA 2035 .
    CONCLUSÃO: ELE TEM O MESMO VALOR QUE EU HOJE, COMPROU MAIS COTAS, POIS QUANDO SE COMPRA COM JUROS MAIORES O VALOR DA COTA DO TÍTULO DIMINUI, TERÁ GANHO FUTURO EM 2035 MAIOR QUE EU, POIS 6 > 5,51.
    E EU DEIXEI DE GANHAR DINHEIRO POR 2 MESES DA APLICAÇÃO DE ONDE RETIREI – UMA PRIVADA QUE DAVA 1,1% AO MÊS.
    PERDI 14 MIL REAIS APROXIMADAMENTE, SIMPLESMENTE POR TER COMPRADO NUM MOMENTO RUIM, COM A TAXA ABAIXO DE 6 PARA IPCA 2035?
    SE EU TIVESSE ESPERADO 2 MESES ECONOMIZARIA 14 MIL REAIS, E TERIA O MESMO VALOR DO MEU COLEGA HOJE.
    ALÉM DISSO ELE FATURARÁ MAIS NO FUTURO.
    ESTOU CERTO.
    COMETI UM ERRO?
    POR FAVOR ESCLAREÇA.
    GRATO!

    • drmoney disse:

      Sim Carlos, o seu raciocínio está correto. O investimento em títulos com vencimento mais longo supõe este tipo de risco. Por isso, o ideal é fazer o investimento aos poucos, um pouco a cada mês, para diminuir este risco.
      Só não entendi o cálculo que você fez para chegar na perda de R$ 14 mil. Parece um pouco exagerado.

  36. Bartolomeuzinho disse:

    Oi.
    Você sabe me dizer quanto eu precisaria investir por mês (tesouro IPCA), partindo de 20.000 reais, para ter o valor que hoje equivale a 1 milhão de reais, em 25 anos? E em 30 anos?

    Qual seria a melhor forma de fazer uma aposentadoria, pois o INSS não me parece ter lógica.

    • drmoney disse:

      Prezado Bartolomeu, considerando uma taxa de juros líquida de impostos de 4% ao ano, para 25 anos seriam R$ 1.800/mês, e para 30 anos, seriam R$ 1.300/mês. A lógica do INSS é o de benefício definido. Ou seja, você sabe o tamanho do seu benefício, independentemente de qual é o rendimento das aplicações. Já o montante que você poupa para você todos os meses vai gerar uma aposentadoria que dependerá do rendimento de suas aplicações. O ideal é uma combinação de ambas.

  37. Nice disse:

    Dr, acho bastante didáticas suas explicações, entretanto sou totalmente analfabeta no assunto, sou idosa e quero aplicar mensalmente mais ou menos $2000,00, aplicacoes de baixo e medio prazo, para uma emergência ou viagem, o que me aconselha? Sou aposentada e tb recebo pensão, isso é a sobra do mês.
    Obrigada

    • drmoney disse:

      Prezada Nice, para este montante e para o seu perfil de risco e objetivo de investimento, recomendo a Caderneta de Poupança.

      • Elen disse:

        Por que nesse caso não seria indicado o Tesouro selic?

        • drmoney disse:

          Porque trata-se de uma pessoa idosa, completamente leiga no assunto. Aplicar no Tesouro Direto exige alguma destreza na abertura da conta, compra dos títulos e acompanhamento dos investimentos, o que eu considero pouco plausível no caso em foco. A Caderneta tem a grande vantagem de ser um instrumento simples, que ela pode acompanhar dentro do mesmo banco onde tem conta corrente. Rende menos, é verdade, mas tem a vantagem da conveniência.

  38. João vitor disse:

    Aqui quem está falando é Vitor, moro no Rio de Janeiro, tenho 23 anos!
    Gostaria de lhe contar um pouquinho sobre minha trajetória e logo em seguida te pedir instruções!

    Desde os meus 18 para 19 anos sonhei em ser empresário, comecei de baixo executando atividades que envolvia finanças, documentações de departamento pessoal e a cada vez mais estava engrenando nesta área, só que minha carreira foi interrompida por um acidente de carro quando completei 21 anos, quebrei o fêmur e coloquei platina com 27 pinos, fiquei um bom tempo sem ir ao trabalho e a escola, só depois de 8 meses de cirurgias, exames, fisioterapias consegui ir retornando as atividades aos poucos, quando completei meus 23 anos fui escolhido por um amigo que me presenteou com uma quantia avaliada em 1 milhão de reais para ajudar nas despesas do meu acidente, já que tive fratura exposta e diversas sequelas, acredito que esse dinheiro veio na hora e no momento mais decisivo de minha vida, já que é uma oportunidade e tanto para recomeçar minha vida, por gentileza e com total respeito ao seu trabalho, gostaria de saber a melhor maneira que eu possa fazer para investir esse dinheiro, em renda fixa ? Pré fixada ou pós fixada? O melhor caminho que eu possa trilhar para min alcançar uma rentabilidade maior e significativa, devo acrescentar o CDB, LAC, LCI? Tesouro direto ? tenho um propósito de doar meu dinheiro para instituições e ajudar algumas pessoas merecedoras, Ficarei bastante feliz e grato por me ajudar a investir este dinheiro de maneira mais íntegra, inteligente e correta, espero que você evolua ainda mais na sua carreira profissional, fique em paz!

  39. Claudio disse:

    Dr. Money,

    Detalhando mais a situação para IPCA com juros semestrais:
    Entendo que a cada 6 meses vou receber ,02956% do valor corrigido pelo IPCA na data do cupom. Depois de 2 anos, a tributação será de 15%, portanto receberei ,02513%.a cada semestre.

    Mas ao fim de 10 anos (caso do 2026), vou resgatar o título pelo valor atualizado do IPCA. Se o IPCA for de 100% em 10 anos (cerca de 7% ao ano) vou ser tributado por essa “correção monetária” . Ou seja, se apliquei 1000 reais, em vez de receber 2000 reais, vou receber 1850,

    Ou seja, não posso considerar os cupons como rendimento real, exceto no caso de inflação zero, é isso mesmo?

    • drmoney disse:

      Sim Claudio, você pegou exatamente o ponto do post: o IR incide também sobre a correção monetária. Assim, a taxa de juros real líquida de IR será tanto menor quanto maior for a inflação.

  40. Cristina disse:

    Bom dia Dr.. Estou tentando entender um pouco sobre esse mercado financeiro… Me de uma ajuda.. Sou bem conservadora, até porque ainda não entendo e tenho medo de perder o que demorou pra conquistar. Gostaria de começar a investir por volta de 20.000,00 , e o que o Dr. me orienta ?

    • drmoney disse:

      Cristina, é muito difícil dar uma orientação sem conhecer melhor você e suas necessidades. Dado que você é bem conservadora, o Tesouro Selic é uma boa opção. Mas repito, esta é uma orientação muito pobre, pois existem outras opções que podem ser adequadas, dependendo do seu objetivo e de sua situação tributária.

  41. Isaac Souza disse:

    Olá Dr. Money,
    O valor do IPCA é só calculado no vencimento do título ou essa rentabilidade diária já está incluso o IPCA ?

  42. André Nascimento disse:

    Dr.
    2 duvidas :
    1º – A longo prazo, 10 anos, oque é melhor tesouro Selic ou tesouro ipca ?
    valor da aplicação – 100.000,00
    2º – No resgate, o IR já vem abatido ou eu o faço na hora da declaração ?

  43. Sidney disse:

    Tenho 2 Dúvidas: Como fica a cobrança do Imposto de Renda sobre rentabilidade negativa no Tesouro Direto :Exemplo IPCA 24 que em novembro está negativa. E as taxas de custódia da BMF e Bancos (incide somente sobre o valor aplicado ou o agregado)

  44. Hodir disse:

    Dr. Money, saco o saldo de previdencia privada arcando com 15% na fonte e mais 12,5% por ocasião do ajuste do IR para investir no Tesouro Direto (IPCA ou Selic), considerando que pretendo por ocasiao da minha aposentadoria sacar o saldo do plano?

  45. Francisco disse:

    Prezado Dr. Money!
    Parabéns pelos esclarecimento postados.
    Tenho duas questões:
    Para o cálculo de rentabilidade projetada do IPCA é solicitado informar a taxa de inflação do período: onde obtenho esta taxa ? é taxa anual ?

    Tenho aplicação no Tesouro IPCA+ 2024 (NTNB Princ) que deu rentabilidade negativa nos últimos 2 meses.
    A rentabilidade mensal da LTN é bem maior. Pergunto não seria mais rentável vender IPCA 2024 e comprar LTN.
    obrigado
    abraços

  46. João disse:

    Bom dia, verificando os valores obtidos nas simulações, por que o valor da taxa de juros real ao ano não é simplesmente dividir a taxa total obtida pelo número de anos, no caso do exemplo, 10 anos?

  47. Nataly disse:

    Dr. Parabéns e obrigada pelas explicações!

    Minha intenção é investir 350 mil em algo que me dê uma rentabilidade que eu possa usar mensalmente. Por exemplo… Ter uma renda de 1% em cima dos 350 mil podendo utilizar mensalmente cerca de 3 mil reais por mês (utilizar só o rendimento da aplicação mensalmente sem mexer na aplicação). Existe essa possibilidade? Se sim, onde devo investir?

    • drmoney disse:

      Nataly, você sempre pode resgatar uma parte da sua aplicação, que servirá como renda. 1% ao mês é puxado, pois lembre-se que você precisa pagar IR. Além disso, cuidado ao gastar o rendimento, pois o montante que continua aplicado perde valor com a inflação. O ideal seria resgatar somente o rendimento que ultrapassasse a inflação.

  48. Paulo disse:

    Os juros do Tesouro IPCA incidem sobre o valor de face do título ou sobre o valor pelo qual foi adquirido?

  49. claudioinvestidor disse:

    Dr. por gentileza, aplicando 150,000,00 reais em LCI com 95% do CDI. Em quantos anos eu chegaria a um milhao de reais?

    • drmoney disse:

      Cláudio, depende do CDI. Se o CDI for de 10% ao ano nos próximos anos, seriam necessários aproximadamente 20 anos. Se for de 12%, aproximadamente 17 anos. Mas lembre-se, isso é rendimento bruto, sem considerar a inflação do período. Daqui a 20 anos, R$ 1 milhão vai comprar bem menos coisa do que hoje.

  50. Eduardo disse:

    Excelente post, estive pesquisando um pouco sobre o tesouro direto, mas resolvi deixar minhas aplicações no LCI mesmo uma vez que não incide IRPF, por favor me de uma orientação se estou certo com meus investimentos! Minha meta e chegar em 1 milhão, hoje tenho 37 anos e 150 mil no LCI, e pelas minhas contas se a economia não mudar muito, pretendo chegar com 50 anos com este valor. Tenho retorno de 100% do CDI com prazo de três anos. Estou no caminho certo? Grato.

    • drmoney disse:

      Prezado Eduardo, imagino que você queira ter 1 milhão a valores de hoje, ou seja, sem considerar a inflação do período. Se for isso, para ter este 1 milhão aos 50 anos, é necessária uma rentabilidade de 15,7% ao ano depois dos impostos e depois da inflação. Não há investimento que lhe proporcione esta rentabilidade. Mesmo que fosse 1 milhão em valores nominais, 15,7% ao ano é uma rentabilidade muito alta, que só pode ser obtida com investimentos mais arriscados, como a bolsa.

  51. Doni disse:

    Dr Money, na declaração de 2017 como declaro o IR de resgate do Tesouro Direto de Dezembro próximo por exemplo? Obrigado

  52. danilo disse:

    O IR tem incidências decrescentes variando de acordo com o período do investimento no tesouro direto… Mesmo a longo prazo isso se repete?

  53. arthur disse:

    estou desesperado apliquei tesouro ipca 2035 50.000,00 por indicação e me da uma rentabilidade negativa de 3000,00 por enquanto, nao deu 30 dias de aplicação o que devo fazer? obrigado!

    • drmoney disse:

      Prezado Arthur, a aplicação no Tesouro IPCA só tem rentabilidade garantidamente positiva no seu vencimento. No seu caso, em 2035. No meio do caminho, o valor pode subir ou descer, dependendo das taxas de juros. Trata-se de um investimento do longo prazo, como o vencimento do papel indica. Para mais detalhes, veja este meu artigo: http://www.drmoney.com.br/investimentos/risco/voce-sabe-porque-pode-perder-dinheiro-aplicando-em-renda-fixa-entao-entenda/

      • arthur disse:

        tiro o dinheiro ou não?

        • drmoney disse:

          Prezado Arthur, para responder a esta questão, eu precisaria saber o objetivo de seu investimento e o qual o seu prazo para atingir este objetivo.

        • brunomocsa disse:

          Cara eu nao sou referencia para dar dicas para isso, procure um especialista, porém acredito que nao deva tirar o dinheiro, como ele falou o essa é uma aplicação de longo prazo que irá te dar retorno em 2035, então só tire de lá em 2035. Pelo que entendi das vendas do tesouro antes do vencimento é que normalmente paga menos do que promete, e raramente (normalmente tesouros prefixados) pagam mais.

    • Luiz disse:

      Arthur, primeiro muita calma nessa hora

      Você não está perdendo nada, aquilo que você está vendo é o valor que você vai obter se realizar a venda desse título nesse momento, o tesouro direto te dá a certeza de que se você ficar com o título até o vencimento você receberá o valor investido mais inflação além da taxa contratada no ato da compra, agora você pode vender esse título, só que para isso precisa esperar um momento melhor, onde o rendimento esteja mostrando ganho.
      Espero que tenha ajudado a tempo.

  54. Celso - sp disse:

    Dr. Money,

    Repito as observações dos colegas.
    Muito bom este Post.
    Obrigado.

  55. Gabriel disse:

    Dr money, bom dia!!
    Gostaria de sua ajuda e opinião de como investir obtendo o melhor resultado.

    Possuo hoje R$20mil em conta poupança e desejo aplicar este valor em algum fundo de investimento para utiliza-lo como entrada em um imóvel dentro de 2 anos. Atualmente minha condição permite poupar cerca de R$1.500,00 mensais.

    Obrigado

  56. Fábio Santos disse:

    Parabéns pelo post.
    No TD há título come cota?
    No simulado acima, podemos afirmar que a inflação real após o IR foi de 13,38%?

    Premissa: IPCA 15% e Taxa de Juros: 7,50%
    [(1+6,237)^(1/10)]-1 = 21,8865% anualizado
    [(1+0,218865)/(1,075)] -1 = 13,88%

    • drmoney disse:

      Prezado Fábio, não há título do TD com come-cotas.
      Com relação ao seu raciocínio: prefiro pensar em termos de taxas de juros reais, ao invés de inflação real. Inflação é inflação, é uma variável medida independentemente da remuneração do título. O que importa é a taxa de juros, este é o objetivo do cálculo.

  57. Adans Alves disse:

    Boa noite Dr.

    Existe um percentual ideal para mantermos uma diversificação de titulos publicos?

    Obrigado pela ajuda.

    Adans

    • drmoney disse:

      Prezado Adans, a aplicação em títulos públicos deve considerar os seus objetivos de investimento. Assim, se você está poupando para comprar um carro daqui a 5 anos, adquira um título prefixado com vencimento em 5 anos, e assim por diante. Desse modo, a diversificação dos seus investimentos seguirá a diversificação dos seus objetivos de investimento.

  58. Carlos Corsini disse:

    Prezado drmoney,

    Fiz aplicaçao no tesouro direto Selic 2021, LFT, há 5 meses.

    Em uma comparaçao com a poupança, observei que os rendimentos
    até o momento estão “elas por elas”, ou seja com o imposto deduzido
    os rendimentos estão pareados.

    Até 2021 havera uma diferença significativa ?

    Atenciosamente

    Carlos

    • drmoney disse:

      Com certeza, Carlos! Mesmo nesses 5 meses, pelas minhas contas, a poupança deu aproximadamente 3,2%, enquanto a LFT deu bruta 5,3% e líquida do imposto de 22,5% deu 4,1%, portanto acima da poupança. Daqui a aproximadamente 1 ano e meio, a alíquota de IR será de 15%, o que tornará a LFT ainda mais atrativa em relação à Poupança.

  59. Rafael disse:

    Caro Dr. Money,

    Em primeiro lugar, parabéns pelo blog que acompanho e sempre aprendo.

    Eu realmente não havia atentado para este detalhe. Porém, a possibilidade de a rentabilidade de um título Tesouro IPCA ser inferior a da maioria dos investimentos disponíveis no mercado é muito baixa! Então, continuo recomendando a todos o Tesouro IPCA, pois ainda é uma das melhores maneiras de proteger seu dinheiro da inflação.

    Grande abraço, e obrigado pelas dicas!

    • drmoney disse:

      Prezado Rafael, o Tesouro IPCA continua sendo um excelente investimento! O artigo procura somente chamar a atenção para para o tamanho da alíquota real de IR sobre o investimento, que pode ser maior do que a nominal.

  60. Felipe disse:

    Excelente insight sobre o tema Dr. Money!

    Uma questão:
    Poderíamos considerar como alternativa as debêntures incentivadas (sem incidência de IR) que podem ser comparáveis ao Tesouro IPCA do ponto de vista do formato de rentabilidade (IPCA + Prefixado)?
    No primeiro exemplo dado, para uma debênture o ganho real seria a próprio prefixado de 7.5% ao invés dos 5.39% do tesouro por não termos a incidência do IR.

    Obs 1: Obviamente não estou levando em consideração a segurança do título do tesouro vs debênture.
    Obs 2: Para uma comparação de longo prazo teríamos também que considerar o efeito da amortização dos títulos privados.

    • drmoney disse:

      Prezado Felipe, como não há incidência de imposto sobre a debênture incentivada, o raciocínio é este mesmo que você descreveu. No entanto, como você chamou a atenção, tem o risco de crédito, que é maior na debênture. Além disso, sabendo que haverá demanda por parte de investidores que não pagam IR, o emissor acaba pagando um cupom menor, ficando com uma parte deste “ganho”.

  61. Salvato disse:

    Boa tarde! Sou novato em questões de investimento, e , estudando as opções, para o meu perfil, inicialmente o melhor seria IPCA+.
    A questão é, estou com dúvidas referentes ao IPCA+ com juros semestrais, pois pretendo viver de renda a partir de uma certa idade, e gostaria, além disso, ter uma certa segurança financeira, caso eu precise de algum dinheiro, eu consiga dessa maneira.
    A dúvida em si é, esses juros semestrais vão me custar Imposto de Renda? e vão ser os 22,5%? Pq se sim, acredito que o melhor é fazer o IPCA+ sem os juros, pois aparentemente eu estaria perdendo muito, ao invés de poupar.

    • drmoney disse:

      Prezado Salvato, sim, ocorre IR sobre o pagamento do cupom, de acordo com o prazo do investimento (22,5% é só nos primeiros 6 meses). Assim, se você não quiser pagar imposto antecipadamente, o melhor é escolher a modalidade sem cupom.

  62. Pedrinho disse:

    Prezados, antes de mais nada agradecer pelo conteúdo do blog, muito bom mesmo.

    Bom, a minha dúvida consiste na seguinte pergunta eu como investidor aplico 10 mil em um titulo atrelado a inflação, que paga tudo no vencimento.

    Levando em consideração
    Prazo 3 anos
    Inflação 7,5% ano
    Taxa de Juros 7%

    Isso significa que se não houvesse imposto de renda nem taxas eu teria então todo ano um aumento contábil de R$ 700, independente da inflação?

    ou seja, essa taxa só incide sobre o aporte que eu fiz? e não sobre o aporte mais a correção da inflação?

    Ex: coloquei 10 mil reais e após um ano esse valor foi corrigido pela inflação e está agora R$ 10.750, sendo assim no segundo ano eu teria 7% sobre esse valor, ou sobre o aporte que eu fiz que foi de R$ 10.000?

    Se alguém puder responder agradeço.

    Abraço a todos amigos,

    • drmoney disse:

      Pedrinho, são juros compostos. Portanto, os juros incidem sobre o montante total do investimento a cada momento. Em seu exemplo, sobre os R$ 10.750.

  63. Marcia disse:

    Boa Tarde!

    Tenho cinquenta mil reais para investir por um prazo de 4 meses aproximado.
    Por favor, qual o melhor tipo de investimento e, qual o site que eu possa confiar em fazer tudo virtualmente, sem correr riscos. O valor está em conta poupança em instituição financeira (banco).

    Grata

    At.te
    Marcia

    • drmoney disse:

      Prezada Marcia, para este prazo curto, recomenda-se um investimento conservador. Um fundo DI com baixa taxa de administração ou uma LFT no Tesouro Direto são boas alternativas.

  64. Julio disse:

    Queria te parabenizar pela honestidade e transparência de não só assumir o erro, como manter o texto original seguido das devidas correções.

  65. Luiz disse:

    E eu fazendo meus cálculos de “padaria” ….
    Eu simplesmente expurgo da taxa contratada de 7,5% o imposto de renda a fim de encontrar o valor líquido dessa taxa, no caso, seria 6,37%.
    0,075*(1-0,15) = 0,06375
    Mas, com o uso de colega Excel, descobri algo interessante que não consigo encontrar uma explicação:
    1) Próximo do 13º ano, a taxa contrada real atinge o patamar calculado acima (6,37%).
    2) Antes desse prazo, a taxa contrada real é menor.
    3) Porém, a partir do 13º ano, a taxa contrada real supera o cáclulo de padaria (6,37%).
    Alguém tem uma explicação para isso??
    Fico grato!!

  66. Ricardo Bueno disse:

    Parabéns Dr!!! Realmente sempre questionei este efeitos e ficava indignado por nunca serem abordados por diversas outras matérias que leio sobre juros reais e planejamento pessoal financeiro, mesmo sendo escritas por profissionais certificados CFA. O seu site e suas matérias são quase uma luz na escuridão da vala comum do que lemos por aí. SHOW!
    Pegando o gancho, seria interessante você discorrer sobre este aspecto de IR no que tange à NTNB Principal e NTNB com J Semestral. Neste caso, sua primeira análise fica correta pois somente se carrega o principal até o final, correto?

  67. Jonas disse:

    Parabéns pelo post!
    É importante não esquecer que os títulos tem seu valor de face em ascenção com o passar só tempo. Portanto,, essa valorização deve ser levada em consideração no rendimento final.

  68. Guilherme disse:

    Post extremamente esclarecedor e didático!!!

    Tenho apenas uma dúvida:

    Pessoas que conseguem poupar e investir parte do salário não estão 100% “indexadas” à inflação. Ou seja, apenas a parcela do salário que é usada para cobrir os custos fixos está sujeita à inflação. Esse pensamento é correto?

    Nesse caso, não seria interessante uma “inflação geral” (IPCA) um pouco maior, pois a rentabilidade real dessa pessoa seria calculada deduzindo-se uma “inflação efetiva” menor?

    Abraços!

    • drmoney disse:

      Guilherme, se eu entendi corretamente o seu raciocínio, como a inflação corroi a parte dos custos, mas “beneficia” a parte dos investimentos, para o investidor seria melhor uma inflação maior, é isto? Não me parece ser correto este raciocínio. Tudo é consumo: o do presente é o dinheiro gasto hoje, e o do futuro é o dinheiro investido. Uma inflação maior significará maiores gastos com consumo no futuro. O investimento no Tesouro IPCA serve apenas para manter o poder de compra no futuro e, como vimos, quanto maior a inflação, menor será a taxa de juros real obtida.

  69. Letzow disse:

    Sim, a rentabilidade real pode até ser negativa, caso a inflação disparasse, como no exemplo.

    Mas em um caso desses, onde seria melhor se proteger, como perguntou o Saulo…

    Possivelmente , a possibilidade de ter -1% de rendimento real, seria ainda a melhor maneira de se proteger da inflação.
    Pois numa situação assim as vezes é mais vantagem achar onde perde-se menos dinheiro , mesmo que capital não acompanhe sequer a inflação, caso não existam outras alternativas.

    Com inflacao em 100% ao ano, deixar o dinheiro parado em conta corrente você teria uma rentabilidade real de -50%, então muito melhor investir onde voce tera -1% de rentabilidade, se nenhuma outra modalidade protege mais que isso.

    • drmoney disse:

      Com certeza, Letzow, o Tesouro IPCA ainda é o melhor instrumento para proteger-se contra a inflação. Este post foi apenas para alertar que a taxa de juros real é menor do que aquela que aparece no quadro de taxas do Tesouro Direto, e será tanto menor quanto maior for a inflação.

  70. Nilson disse:

    Errado! os valores de face das NTN-B são corrigidas pelo Ipca, para apenas depois apurar o ganho na venda. Veja na calculadora do tesouro direto ou mesmo no extrato de custódia do tesouro direto…

    • drmoney disse:

      Nilson, adoraria estar errado, mas infelizmente é isso mesmo. Simulando na calculadora do Tesouro R$100.000 investidos em um título com vencimento em um ano, 7,5% de taxa de juros e 15% de inflação, obtemos:
      – Rentabilidade bruta: 23,62% (equivalente a (1+0,075)*(1+0,15)-1)
      – Valor bruto no resgate: R$ 123.833,26
      – Tx de custódia: R$ 334,83
      – Alíquota do IR: 17,5%
      – IR: R$ 4.112,23 = 0,175*(R$123.833,26 – R$334,83 – R$ 100.000)
      Portanto, o IR incide sobre o rendimento total, e não sobre o rendimento real. Se não fosse assim, o Tesouro IPCA seria muito mais vantajoso do que qualquer outro título do Tesouro Direto.

      • Nilson disse:

        mas perceba que os 7,5% é capitalizado após a correção do ipca, então mesmo com ipca a 200% terá ganho real, mesmo que ínfimo. O grande questão é perder menos, em relação a selic.

        • drmoney disse:

          Nilson, por construção matemática sempre haverá um nível de inflação em que o ganho real será negativo. Mas, concordo com você, a questão aqui é perder menos, e a NTN-B continua sendo um excelente papel. Meu único objetivo com o post foi mostrar que o ganho real é menor do que simplesmente o cupom menos o IR.

  71. Alexandre disse:

    Bom artigo, porém falta considerar o efeito dos juros compostos no cálculo da rentabilidade dos títulos. Pegando o título com prazo mais curto (2019) e, por simplificação, considerando prazo de 3 anos até o vencimento (15/05/19), temos para o pior cenário (inflação de 100%):

    Rendimento total: (((1+1)*(1+0,075))^3)-1 = 893,8%

    Rendimento líquido de IR: 893,8% * (1-0,15) = 759,8%

    Ganho real (todo o período): (1+7,598)/((1+1)^3)-1 = 7,5%

    Ganho real (anualizado): (1+0,075)^(1/3)-1 = 2,4%

    Neste cenário com inflação de 100% aa e prazo de 3 anos, ainda haveria ganho real para o investidor, embora bastante reduzido. O ganho real seria negativo apenas para taxas contratadas abaixo de 5%.

    Para prazos mais longos (p. ex. 19 anos, referente a títulos com vencimento em 2035), mesmo com inflação de 100% aa teríamos ganho real anualizado de 6,6% (o ganho real ficaria negativo apenas para taxas contratadas abaixo de 1%).

    Portanto, o investimento no Tesouro IPCA é bastante seguro, mesmo em cenários superinflacionários considerando o pagamento de IR sobre todo o rendimento.

    • drmoney disse:

      Alexandre, muito bom escrever em um blog onde há leitores inteligentes. De fato, este meu raciocínio vale somente para títulos com um ano de prazo. Se houvesse um “come-cotas” anual (ou seja, se houvesse cobrança de IR a cada ano) também valeria, mas não é o caso. De qualquer forma, o ponto do post não é a segurança do Tesouro IPCA, mas o fato de que a taxa de juros real é menor do que aquela que é negociada. Este é o ponto importante a ser considerado por investidores de longo prazo. Muito obrigado pela sua colaboração, vou colocar um adendo no post.

  72. saulo venancio disse:

    Dr. Money, que tipo de ativo não teria esse problema em um cenário de alta inflação?
    Parebens pelo post.

    • drmoney disse:

      Saulo, nenhum ativo escapa desta lógica. O problema com o Tesouro IPCA é que, como escrevi, este título explicita a taxa de juros real, mas não é esta taxa que é obtida pelo investidor no final. A taxa é menor, e tanto menor quanto maior for a inflação. Isto não significa que o Tesouro IPCA não proteja contra a inflação, apenas que a taxa de juros real é menor. O Tesouro IPCA ainda é o melhor instrumento para proteger contra a inflação.

  73. Max disse:

    Dr. Bom post. Já tinha percebido isso.Infelizmente enquanto tivermos esse sócio indesejado (governo) não vai ter muito o que fazer…apesar dos pesares…é a forma mais fácil de indexar o rendimento pela inflação. Outras opções como FII e ouro exigem maior um conhecimento e pode estar facilmente acessível ao investidor médio. Por isso é sempre bom fazer os calculos com a rentabilidade liquida real sempre e comparar as opções!

  74. Pablo disse:

    Parabéns pelo post, mas não entendi muito bem qual a diferença da tributação do imposto de renda desse para os outros títulos públicos. Poderia dar um exemplo? Pensei que sempre calculasse desse jeito para todos.
    ABraços!

    • drmoney disse:

      Pablo, não há diferença de tributação para os outros títulos públicos. O post só tem o objetivo de chamar a atenção para o juro real, que é tanto mais afetado pela tributação quanto maior for a inflação.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.