Scroll Top


Assine a nossa lista, e receba todas as atualizações do blog!


 

Educação Financeira

Pagar o IPVA à vista ou parcelado?

Este post foi publicado originalmente em 11/01/11. Estou republicando agora, revisado e ampliado, porque, veja só, chegou a hora de pagar o IPVA de novo!

Todo início de ano é a mesma dúvida cruel: devo pagar à vista ou parcelar o IPVA? A resposta a esta questão depende basicamente de duas variáveis: se você tem o dinheiro para pagar à vista e o tamanho do desconto para pagamento à vista.

Se você tem o dinheiro para pagar à vista, o seu “custo de oportunidade” é a rentabilidade que você receberia de uma aplicação financeira. Em outras palavras, o dinheiro que você usa para pagar à vista você deixa de aplicar no mercado financeiro. Já no caso de você ter que tomar dinheiro emprestado para pagar o IPVA, o seu “custo de oportunidade” é a taxa do empréstimo.

O tamanho do desconto depende do Estado onde você recolhe o imposto. Em cada caso, calcularemos a taxa implícita em cada plano de parcelamento. Ou seja, qual é a taxa efetiva de desconto ao mês. Sabendo essa taxa, você deve considerar a sua situação pessoal:

1. Se você tem aplicações, e essas aplicações rendem mais do que a taxa implícita, você deve deixar o dinheiro rendendo, e pagar o IPVA parceladamente. Ao contrário, se as suas aplicações rendem menos, você deve sacar e pagar o IPVA à vista.

2. Por outro lado, se você vai tomar dinheiro emprestado, e a taxa do empréstimo for menor do que a taxa implícita, você deve pagar à vista. Caso contrário, deve pagar parceladamente.

Para ilustrar, vejamos o exemplo de MGSP. Nesses lugares, o IPVA tem desconto de 3% para pagamento à vista.

Caso se opte pelo parcelamento, o pagamento da 1a parcela ocorre no mesmo dia do pagamento à vista. Esse esquema resulta em uma taxa implícita de 3,1% ao mês. Se você tem dinheiro aplicado, provavelmente o melhor será sacar e pagar à vista, dado que não existe aplicação que lhe dê retorno neste nível com um certo nível de segurança. Por outro lado, se você vai tomar dinheiro emprestado, o melhor será pagar parceladamente, pois 3,1% ao mês é provavelmente mais barato do que qualquer empréstimo na praça, a não ser que seja consignado.

Vejamos agora o caso dos outros estados:

No ACALMS e RJ o desconto é de 10% para pagamento à vista na mesma data do pagamento da 1a de 3 parcelas, significando uma taxa implícita de 11,6% ao mês.

No AM e RR, há 3 formas de pagamento: 1) 3 parcelas, 2) à vista com desconto de 10% na data da 1a parcela, ou 3) à vista com desconto de 5% na data da 2a parcela. Comparando a opção 2 com a opção 1, temos uma taxa implícita de 11,6% ao mês. Já a opção 3 comparada com a 1 significa uma taxa implícita de 9% ao mês. Por fim, comparando a opção 2 com a 3, temos uma taxa implícita de 5,6% ao mês. Portanto, a opção 2 é a melhor para quem tem dinheiro aplicado. Já para quem está pegando empréstimo, se o custo do empréstimo é menor que 5,6%, o melhor é a opção 3. Para taxas entre 5,6% e 11,6%, o melhor é a opção 2. Para taxas de empréstimo acima de 11,6%, o melhor é parcelar (opção 1).

No AP, o desconto é de 20% para pagamento na data da 1a de 6 parcelas. Portanto, a taxa implícita é de 9,9% ao mês.

Na BA há 3 formas de pagamento: 1) 3 vezes, 2) à vista com desconto de 5% na data da 1a parcela, ou 3) sem desconto na data da última parcela. A alternativa 3 é sempre superior à 1, pois significa postergar o pagamento. Portanto, podemos desconsiderar a alternativa 1. A alternativa 2 em relação à 3 significa uma taxa implícita de 2,6% ao mês, e é essa taxa que deve ser considerada no seu caso.

No CE, o desconto é de 5%, mas o pagamento é antecipado em 15 dias antes do pagamento da 1a de 4 parcelas. Isso resulta em uma taxa implícita de aproximadamente 2,5% ao mês.

No DFem PE e no RN, o desconto é de 5% para pagamento na data da 1a de 3 parcelas. Portanto, a taxa implícita é de 5,4% ao mês.

No ES e em SC não há desconto para pagamento à vista. Portanto, a taxa implícita é zero, e você deve parcelar o pagamento.

Em GO, a parcela única é paga sem desconto, mas na mesma data da 3a parcela. Neste caso, independentemente do seu caso particular, vale a pena pagar em cota única.

No PR há 3 formas de pagamento: 1) pagamento de parcela única com 5% de desconto um mês antes da 1a parcela; 2) pagamento de parcela única sem desconto, na data do pagamento da 1a parcela e 3) em 5 parcelas. A alternativa 3 é sempre melhor que a 2, razão pela qual podemos desconsiderar a opção 2. Comparando a alternativa 3 com a 1, a taxa implícita é de 1,7% ao mês.

No MA, são 3 parcelas, ou pagamento de parcela única sem desconto na data da 2a parcela. Neste caso, a escolha entre uma ou outra alternativa é neutra.

No MT, o desconto é de 5%, mas o pagamento é antecipado em 20 dias antes do pagamento da 1a de 3 parcelas. Isso resulta em uma taxa implícita de aproximadamente 3,1% ao mês.

No PA, é oferecido desconto para pagamento na data da 1a parcela. O tamanho do desconto depende da situação do motorista: se não tiver multas nos últimos 2 anos ou mais, o desconto é de 15% (taxa implícita de 18,8% ao mês); se não tiver multas no ano anterior, o desconto é de 10% (taxa implícita de 11,6% ao mês); para os outros casos, o desconto é de 5% (taxa implícita de 5,4% ao mês).

Na PB, assim como na BA, há 3 formas de pagamento: 1) 3 vezes, 2) à vista com desconto de 10% na data da 1a parcela, ou 3) sem desconto na data da última parcela. A alternativa 3 é sempre superior à 1, pois significa postergar o pagamento. Portanto, podemos desconsiderar a alternativa 1. A alternativa 2 em relação à 3 significa uma taxa implícita de 5,4% ao mês, e é essa taxa que deve ser considerada no seu caso.

No PI, o desconto é de 15% para pagamento à vista na mesma data do pagamento da 1a de 3 parcelas (esta era a informação do IPVA de 2011, não há informação para este ano), significando uma taxa implícita de 18,8% ao mês.

No RS, há uma tabela complicada. Considerando pagamento em parcela única no dia 31/01 com 3% de desconto, a taxa implícita é de 1% ao mês.

Assim como na BA, no TO há 3 formas de pagamento: 1) 4 vezes, 2) à vista com desconto de 10% na data da 1a parcela, ou 3) sem desconto na data da última parcela. A alternativa 3 é sempre superior à 1, pois significa postergar o pagamento. Portanto, podemos desconsiderar a alternativa 1. A alternativa 2 em relação à 3 significa uma taxa implícita de 3,6% ao mês, e é essa taxa que deve ser considerada no seu caso.

Como você pôde perceber, cada caso é um caso. Verifique o seu, e tome uma decisão financeira bem informada.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

13 Comentários

  1. valéria disse:

    OLA BOA TARDE NO CASO DO DF QUAL SERIA A MELHOR OPÇÃO?

  2. Ari Gonçalves disse:

    Por que este grande diferença no valor do IPVA, de um estado para outro?

    • drmoney disse:

      Ari, cada Estado tem a sua política de IPVA, dependendo do tamanho da frota de veículos e de suas necessidades de financiamento. Obrigado por participar do blog.

  3. paulo disse:

    Sou do RS e não tive multas no periodo de 2010 a 2012, mas só tenho 18%, não deveria ser o maximo 23 % ?

  4. ipvasampa disse:

    veja como parcelar ipva atrasao: http://ipvaspdicas.blogspot.com.br/

  5. Samaritana Albuquerque de Assis disse:

    Sou do Estado do Amapá. Será melhor eu pagar á vista ou a prazo?
    Pois não entendi bem sobre a taxa implicita mensal.
    Abraço e Parabéns pelo blog!

    • Dr. Money disse:

      Olá Samaritana, no caso do Amapá, a taxa implícita é de 9,9% ao mês. Como não há investimento que lhe dê este retorno, o melhor é pagar à vista, se você tiver o dinheiro. Se não tiver, é melhor pegar um empréstimo pessoal, pagando, no máximo, 9,9% ao mês, e pagar à vista. Se o empréstimo custar mais do que isso (por exemplo, cheque especial), entao é melhor usar o parcelamento.

  6. ricardo disse:

    O pior de pagar o absurdo de ipva que nao retorna em beneficio p/ os cidadaos,alias como todos os outros impostos, e ver que praticamente em cada estado a forma de pagamento e diferente.Pq nao padronizam tudo?

  7. Jonas disse:

    Essa reflexão é fundamental para não se perder dinheiro para o famoso custo de oportunidade.Você poderia explicar como se calcula essa taxa implícita mensal? Fiquei curioso pois o senso comum indica que para o RJ, por exemplo, a taxa seria pouco menos da metade destes 11,6% por mês, sendo o valor que você citou o relativo ao período de 3 meses.

    Um abraço e parabens pelo blog

  8. Investidor Defensivo disse:

    Se não tem jeito de não pagar, melhor pagar o mínimo possível.
    abs!

  9. Jônatas R. Silva disse:

    Já paguei hoje meu amigo. À vista.

    Abraço.

  10. Roberto Pina Rizzo disse:

    Além do que pagando à vista já tiramos da frente esta PORCARIA.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.