Quer ganhar um e-book GRÁTIS?


Assine a nossa lista, e receba grátis o e-book

"Como montar o seu Plano de Investimentos"!

 

Investimentos

Como é medida a inflação?

Inflação é o tema da moda. Com o IPCA bem acima do centro da meta (7,3% nos últimos 12 meses) e a última decisão do Banco Central de baixar a SELIC, fica difícil não pensar que a coisa toda pode desandar. Neste post, no entanto, não vamos discutir Política Monetária. Quero aqui, seguindo sugestão de um leitor do blog, mostrar como o IPCA é “fabricado”. Claro, fabricado no sentido de feito, não no sentido de forjado, como parece ser o caso atual da Argentina. A sensação, no entanto, é de que TODOS os preços estão subindo bem acima da inflação oficial, o que faz muita gente desconfiar. Pretendo, pois, mostrar de onde vem essa sensação, que é verdadeira, mesmo que não haja (e aparentemente não há) manipulação do IPCA.

Em primeiro lugar, o IPCA mede a inflação média de famílias com renda entre 1 e 40 salários-mínimos (R$ 540 a R$ 21.600) mensais, das regiões metropolitanas de São Paulo, Rio, Curitiba, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Belém, Recife, Salvador, Fortaleza e Goiânia. Portanto, é uma média de famílias com rendas extremamente diferentes. Sabe qual é o problema das médias? Elas misturam coisas muito distintas, e o resultado é um número que não representa quase ninguém. No caso do IPCA, como existem muito mais famílias com renda mais baixa, a inflação tende a ser a que estas famílias sentem. E como isto acontece na prática?

Qualquer índice de inflação precisa partir de uma “cesta básica” de consumo. No caso do IPCA, esta cesta é formada pelos itens da tabela a seguir:

Note as duas colunas: elas representam os pesos de cada um dos itens hoje e há cinco anos. Perceba que o peso da alimentação foi o que mais subiu neste período (3 pontos percentuais), seguido de Serviços Pessoais (quase um ponto percentual). Ou seja, as famílias gastam hoje, em média, mais com alimentação do que há cinco anos. Isto pode ter acontecido pela aumento da sofisticação na alimentação ou pela inflação maior destes itens do que de outros, ou uma combinação de ambas. No caso de Serviços Pessoais, o impacto foi do aumento de Empregado Doméstico, que deve ter sido resultado do aumento considerável do salário mínimo no período.

E o que recuou na cesta de consumo das famílias? Principalmente Transportes (mais de dois pontos percentuais), Comunicação (mais de um ponto percentual) e Aparelhos Eletroeletrônicos e Combustíveis e Energia (ambos com 0,75 ponto percentual de queda). No caso de Transportes, o responsável foi o item automóvel, tanto novo quanto usado. Ou seja, o brasileiro tem gasto menos do seu orçamento para compra do carro novo, provavelmente pela queda relativa do preço. Já no caso de Comunicação, a queda se deve basicamente ao item Telefone Fixo, que vem sendo aos poucos substituído como forma de comunicação. Em Combustíveis e Energia, o que mais caiu foi Energia Elétrica Residencial, que provavelmente subiu menos que outros itens. Por fim, os Aparelhos Eletroeletrônicos vêm caindo de preço constantemente nos últimos anos.

Agora, compare esta lista com a sua própria cesta de consumo. Será que você gasta quase um quarto do seu orçamento com comida? Ou somente 7% com Educação? Certamente, esta não é a cesta de consumo da classe média. Por isso, cuidado ao considerar o IPCA como parâmetro para a sua própria inflação. É bem provável que não a represente fidedignamente.

– Dr. Money, como posso então calcular a minha própria inflação?

Não é assim tão simples, meu amigo. Em primeiro lugar, você precisa determinar a sua própria cesta básica. Isso pode ser feito a partir do seu orçamento anual. Veja, durante um ano, quanto você gasta em cada um dos itens acima. Esta é a sua cesta de consumo. Depois, e aí é o mais difícil, você precisa definir certos itens que representam cada uma das categorias acima. Por exemplo, no caso de alimentação fora do domicílio, escolha uns dois ou três restaurantes onde você normalmente come, e neles, alguns pratos mais típicos. Depois, é só acompanhar esses preços. E assim por diante, para cada um dos itens acima.

– Mas Dr. Money, isso dá muito trabalho!

Também acho, e por isso penso que não vale a pena. Uma outra forma, mais prática, é acompanhar o IPCA de maneira mais detalhada. No site do IBGE, você encontrará mensalmente a tabela da inflação da cesta básica com a variação de todos o itens, por cidade. Por exemplo, a tabela do mês de agosto para a cidade do Rio de Janeiro é a seguinte:

Ou seja, o IPCA do Rio foi de 0,47%, sendo que Alimentação e Bebidas subiu 1,13%, e assim por diante. As inflações dos sub-itens, ponderadas pelos seus pesos, resultarão nos 0,47%.

Agora, você precisa reponderar o IPCA de acordo com a sua própria cesta básica. Veja o exemplo a seguir:

Na coluna A, temos a inflação de cada um dos sub-itens do IPCA no Rio de Janeiro em agosto. Na coluna B, os pesos desses itens na cesta do IPCA. A coluna C é a multiplicação da coluna B pela coluna A, resultando no IPCA para o Rio de Janeiro (soma de todos os itens). A coluna D traz os pesos de cada um dos sub-itens do IPCA na minha cesta básica. Finalmente, a coluna E traz a multiplicação de cada um dos pesos pela inflação de cada um dos sub-itens (coluna A).

Note que a minha inflação não ficou tão diferente da medida pelo IPCA, neste caso. A alimentação foi o que mais pesou no IPCA de agosto, mas o peso é menor na minha cesta, contribuindo para que a minha inflação fosse menor. Esta vantagem foi parcialmente compensada pelo peso maior em Educação.

O IPCA é uma média da variação dos preços de toda a economia, para todas as pessoas. Muito provavelmente ele não servirá para você. Não dá para concluir, no entanto, que ele não mede corretamente a variação dos preços ao consumidor de toda a economia. De maneira agregada, o IPCA é um bom indicador da inflação brasileira. E, infelizmente, está acima do nível que gostaríamos.

Receba atualizações do site em seu e-mail!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

2 Comentários

  1. waldir disse:

    DR Money

    – muito obrigado, as suas explicações são muito proveitosas, instrutivas e mostram o que a maioria das pessoas não
    imaginam, por exemplo , o que mostrou.
    – na realidade a gente pode observar no mercado que os preços são,
    na maioria das vezes, chutados e com aumentos abusivos, influenciados por notícias na mídia sobre a inflação.

    Grato

    Waldir.

  2. Anonymous disse:

    Dr. Money, parabéns pela postagem, assim como o blog por inteiro. Comecei a acessá-lo agora, por conta do começo de investimento no Tesouro Direto (procurando blogs que falem sobre investimentos na rede), e gostei bastante do blog. Estava/estou procurando materiais que falam sobre índices econômicos e me deu uma boa clareada sobre o IPCA. Peço que, se possível, poste mais sobre TD/ou outros índices.

    OBRIGADO!!!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.