Quer ganhar um e-book GRÁTIS?


Assine a nossa lista, e receba grátis o e-book

"Como montar o seu Plano de Investimentos"!

 

Investimentos

Comparar taxas prefixadas com a SELIC: um erro comum

Muitos investidores no Tesouro Direto, ao avaliarem os títulos prefixados, cometem um erro básico: comparam a taxa paga pelo título com a taxa SELIC daquele momento, e decidem pelo investimento se a taxa prefixada é maior que a SELIC. Por exemplo, neste momento, um título de longo prazo (por exemplo, com vencimento em 2021) está pagando por volta de 11,05% ao ano. Contra uma SELIC de 9,75%, temos um prêmio de aproximadamente 1,3% ao ano sobre a SELIC. Uma taxa bastante interessante!

Mas o raciocínio correto não é esse. O que importa, na realidade, é se a SELIC acumulada da data da compra do título até o seu vencimento será maior ou menor do que a taxa prefixada. É isto, na verdade, que define ou não o ganho com aquele título. Vejamos alguns exemplos.

No dia 31/08/2005, a taxa SELIC era de 19,75%. Um título com vencimento em 04/01/2010 estava pagando, na época, 16,72% ao ano. Aparentemente, um mau negócio. No entanto, a SELIC acumulada entre estas duas datas foi de apenas 12,82% ao ano. Ou seja, quem comprou aquele título, ganhou 3,9% ao ano além da SELIC!

Outro exemplo: no dia 30/12/2008, a SELIC estava em 13,75%. Um título com vencimento em 02/01/2012 estava pagando 12,34% ao ano. No entanto, a SELIC acumulada entre estas duas datas foi de 10,47% ao ano. Quem comprou aquele título, ganhou um prêmio de 1,87% ao ano sobre a SELIC.

Agora vejamos o exemplo inverso. No dia 30/07/2009, a SELIC estava em 8,75%. Um título com vencimento em 02/01/2012 estava pagando 11,01% ao ano. Portanto, quem comprou este título, talvez estivesse esperando ganhar 2,26% ao ano sobre a SELIC. No entanto, a SELIC acumulada entre estas duas datas foi de 10,34% ao ano. Ou seja, o ganho, na realidade, foi de apenas 0,67% ao ano sobre a SELIC.

Note, portanto, que não importa se a taxa prefixada está acima ou abaixo da SELIC corrente. O que importa é se a SELIC acumulada entre hoje e a data do vencimento ficará maior ou menor do que a taxa prefixada.

– Mas Dr. Money, este raciocínio só vale para quem ficar aplicado até o vencimento. E se eu resolver vender o papel antes?

Bom ponto! Neste caso, você terá lucro ou prejuízo dependendo da taxa praticada no momento da venda do título. Voltemos ao segundo exemplo: no dia 30/07/2009 você comprou um título com vencimento em 02/01/2012, com taxa de 11,01% ao ano. Você pagou R$ 776,92, e vai receber R$ 1.000 no vencimento (veja mais detalhes sobre este cálculo no post Duration: que bicho é esse?). Vejamos o que aconteceu ao longo do tempo que você ficou com o título:

Note que, no início, o título chegou a perder da SELIC acumulada em alguns momentos. Se você vendesse esse título até junho de 2010, estaria praticamente empatando com a SELIC. A recompensa viria somente se você perseverasse com o título depois disso.

Não há uma regra única para saber se vale a pena comprar um título prefixado ou ficar na SELIC mesmo (LFT). Eu abordo o problema dessa escolha no post NTN-F x LFT: o que escolher? Uma coisa, no entanto, é certa: essa escolha é bem mais complexa do que simplesmente comparar a taxa do título prefixado com a SELIC, como muitos investidores ainda fazem.

Crédito do thumbnail: Free Digital Photos.

Receba atualizações do site em seu e-mail!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

6 Comentários

  1. Rodrigo Machado disse:

    Muito bom sua explicação. Não tinha visto nada tão claro como você escreveu. Gostaria somente de perguntar o que você acha da minha diversificação em títulos públicos com aportes mensais: 50% em LFT, 25% em LTN e 25% em IPCA. E ainda por cima estou fazendo rebalanceamentos. Assim, pelo que entendendo eu consigo diversificação e minha rentabilidade será maior a longo prazo.

    Abraços

    • drmoney disse:

      Prezado Rodrigo, a sua carteira de investimento deve ser função de seu objetivo de investimento (prazo e taxa requerida para atingir seu objetivo), e sua tolerância ao risco. Sem essas informações, não é possível saber se sua carteira é adequada para você.

  2. Patricia disse:

    Dr, necessito de uma ajuda: com a queda da taxa Selic, qual a influência que a mesma possui com relação a rentabilidade do IMAB? Uma variação no IPCA pode ocasionar diretamente na rentabilidade do IMAB? Grata,

    • Dr. Money disse:

      Patrícia, a taxa SELIC tem uma influência indireta na rentabilidade da NTN-B (papel que forma o IMA-B). Influencia de duas maneiras: 1) a condução da política monetária pode fazer a inflação subir ou descer, influenciando a parcela IPCA da NTN-B e 2) uma SELIC mais baixa pode sinalizar uma taxa de juros real mais baixa para a economia (que é o que está acontecendo agora) ou vice-versa, influenciando a parcela prefixada da NTN-B.

  3. Jônatas R. Silva disse:

    Realmente é um erro Dr.,
    Sempre faço a compra projetando o sentido da SELIC.
    Mas tenho ambos os títulos em carteira, pois nunca é possível saber quando nosso governo louco mudará de estratégia.

    Abraço.

  4. Ulisses Nehmi disse:

    Dr. Money,
    Discussão clássica, sempre bem vinda. Fiz algumas contas e escrevi um artigo sobre o assunto: Qual Título Público escolher: LTN ou LFT?
    Via de regra, as vantagens do pré-fixado para o investidor fazem muito mais sentido em casos específicos (ex.: cada um fazendo sua própria alocação) do que em um condomínio (ex.: fundos).
    Abs

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.